Este livro foi escrito em torno de duas ideias centrais: 1) aproximar a problemática da floresta em Portugal do público curioso e minimamente interessado 2) fazer uma leitura da floresta sob pontos de vista diversos dos habitualmente usados. Por isso não é um livro técnico nem, muito menos, científico. Contudo, recorre a alguma investigação realizada durante a sua elaboração.
E contém alguma memória pessoal, embora com o cuidado de não ser autobiográfico, pois o autor viveu muitas experiências ao longo da sua vida profissional que o convenceram da insuficiência dos conhecimentos com que são comummente tratados os assuntos relativos à floresta, e sobretudo dos enviesamentos que tantas vezes deformam as análises, submetidas, ainda que inconscientemente, a pensamentos viciados.
É um livro que pretende questionar, explicar e até desvendar, sem cair na tentação de dar respostas: cada leitor encontrará as suas.