"...nestes tempos em que todos os dias a tecnologia nos surpreende, e facilita o acesso ao conhecimento e ao diálogo com outros, seja com quem privamos, seja com um imaginado auditório de atentos, curiosos e participativos usuários do computador, não pensamos um momento, e assim nem imaginamos como, décadas tão distantes que nem existiam ainda as também distantes, e de muitos desconhecidas, máquinas de escrever, as canetas não eram de tinta permanente, mas um objecto de madeira envernizada com um aparo na ponta, que se molhava num tinteiro, boiões de iogurte continham cola para colar os telexes, como, nesse longínquo tempo, os jornais, no meu caso o "Diário de Notícias", estabeleciam a comunicação com os seus leitores."