Com uma lista de perdas e fracassos a acumularem-se diariamente, a inteligente mas orgulhosa Sara Almendra julga não haver como a sua vida ficar mais caótica.
Sara acaba de perder a mãe, tem a empresa que administra à beira da insolvência, um casamento de quase onze anos preso por um fio e uma súbita e indesejada gravidez para "processar".
Aparentemente, já não pode piorar, exceto… se alguém lhe trouxer o passado de volta.
André Monteiro!
Oh! Se assim for, Sara vai então ter outra certeza: as memórias vão voltar também, e com elas, o seu segredo, os sentimentos, as dores, as emoções que bloqueou dentro de si, bem no centro de si… sem nunca verter uma lágrima!
Mas pode o passado ser realmente o pior?
Não. O pior vai ser descobrir que, apesar da sua firmeza, da sua teimosia, da sua resistência, os anos não apagaram nada, rigorosamente nada do que sentia e que o seu sentimento de culpa pode vir a aumentar, perante esta retoma de consciência.
Sara e André - entre outros, - são personagens que vão levar o leitor ao epicentro das emoções humanas, àquele momento da vida em que muito do que se viveu começa a cair em contradição, a cair na dúvida, na insatisfação, a entrar até em ebulição - ou desmoronar, - em que já pouco ou nada dá alento, em que a grande mudança se começa a manifestar mas a coragem ainda tarda… e porquê?
Só a verdade, só a própria verdade, aquela que se esconde anos a fio em forma de ego pode responder.
Ou satisfazer!