"O momento zero da mudança passa por enfrentarmos os nossos medos, enquanto indivíduos e enquanto povo. Quando o país atravessa um dos períodos mais difíceis da sua história, esta pequena alegoria empurra-nos para uma tomada de consciência daquilo a que chegámos. Que sirva como exorcismo libertador e mobilizador de vontades, como princípio da cura para uma nação que se adoenta."