Uma rapariga pedala na fúria do momento, sempre a pior, numa tarde ensolarada de Maio. Um casal revisita lugares de outrora. Uma mão desce sobre uma laje. A sombra de um choupo. Um rapaz caminha sobre a terra sob o peso de uma questão. Uma velha descasca peças de fruta antes de falar. Uma mulher olha um filho como se caminhasse sobre uma plataforma ferroviária. Uma bengala, de madeira, em silêncios de adeus. O mundo, lá fora, já uma noite imensa. Enquanto sorrisos sob uma luz.