A carreira política de Ruben de Carvalho levou-o, através da Câmara Municipal de Lisboa, a participar activamente no Lisboa ’94 - Cidade Europeia da Cultura.
Para as comemorações, o autor preparou um caderno e um CD (que nunca viria a sair) que dissertavam sobre o Fado, a sua génese, e os autores que ajudaram a elevar o estilo musical a património, como Alfredo Marceneiro e Amália Rodrigues.
O livro Músicas do Fado é precisamente este caderno de 1994 e, além do já referido trabalho de investigação, age como uma defesa do Fado aos ataques da esquerda que conotava o estilo musical como um instrumento do Estado Novo.