Breve e irónica reflexão, dissimulada por uma seriedade imperturbável, traça a origem e a evolução da guerra dos sexos, do mito da costela de Adão e da expulsão do Paraíso aos tempos mais modernos. Abordando a natural situação de hostilidade e a eterna discórdia entre géneros, é uma truculenta paródia que aponta o dedo a falsos moralismos e ao logro dos valores contemporâneos.